Data

A paz do Senhor Jesus Cristo. Hoje é

segunda-feira, 8 de abril de 2013

O pastoreio à luz da Bíblia Sagrada



“Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar:
Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;
Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho”
1 Pedro 5 vv. 1-3
Hoje vamos tratar da grande diferença entre o pastoreio bíblico (pastores verdadeiros) e a liderança tirana ou governo arrogante na igreja do Senhor. Nós pastores não devemos governar como os homens do mundo governam seus subordinados. Pastores verdadeiros dirigem seus rebanhos com compaixão, e benignidade, eles encorajam, e não demandam, ajuntam e não espalham. (1 Tessalonicenses 2 vv.7-8).Verdadeiros Pastores  lideram por exemplo pessoal, não exigem obediência cega (1 Pedro 5 v.3), tem ciência de  que o rebanho não  é deles e não devem exercem suas vontades sobre eles (1 Pedro 5 vv.2, 3) O rebanho é de Deus e deve ser guiado como  Deus quer. 




Pastores verdadeiros se preocupam mais com bem-estar do rebanho do que com si mesmos, os homens maltratam para conseguir o que querem, pastores não. (1 Pedro 5 v.2), são humildes e não se consideram, em hipótese alguma, maiores que o rebanho (1 Pedro 5 v.2 ).

Pastores verdadeiros libertam o rebanho para fazer a vontade de Deus. Os homens maus controlam o povo para poder manipulá-los (Efésios 4 vv.11-12; 2 Coríntios  10 v.8), (2 Coríntios10 v.4).Em Marcos 10 vv.43-45 Jesus Cristo disse: "Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos.
Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos."
 
O Pastor João Hawkins Filho dá algumas sugestões muito uteis aos Pastores:


1. Nunca esqueça que o rebanho não é seu, e que dará contas pela maneira que os trata (Atos 20 v.28; 1 Pedro 5 vv.1-4; Tiago 3 v.1). O Pastor pode maltratar a Igreja no presente porque tem sido dado liberdades para presidir sob a Igreja. Mas seu comportamento será julgado por Deus;
2. Deve tratar a Igreja como gostaria de ser tratado (Mateus 7 v.12, a regra de ouro). Deve lembrar os dias que era membro e como o seu pastor agia sob sua pessoa;
3. Trate as pessoas com igualdade (1 Timóteo 5 v. 21). Tenha cuidado para não exercer favoritismo na Igreja com amigos, na direção dos cultos e especialmente na disciplina;
4. Traga liberdade e crescimento para a Igreja, não dependência (2 Coríntios 10 v.8). Toda Igreja precisa amadurecer e crescer. Devem poder sustentar qualquer problema e situação sem que isso venha abalar o grupo;

5. Encoraje pessoas a ter uma visão pessoal da vontade de Deus e participar com idéias no trabalho da Igreja (Efésios 4 vv.11-12), porém não as force. As únicas coisas que o Pastor deve desencorajar são o pecado e as falsas doutrinas;
6. Tente produzir o máximo de líderes que trabalhem junto com o você para multiplicar os ministérios da Igreja local (Atos 13 v.1; 20 v.4). O Novo Testamento mostra uma pluralidade de obreiros na Igreja local e na obra missionária. Um Pastor sábio não teme compartilhar suas responsabilidade com outros homens sérios para o progresso da obra;
7. Resista a tentação de ser soberbo e se exaltar (Marcos 10 vv.42-45). A posição de um pastor é humilde. Ele possui autoridade, mas é a autoridade de um servo sob um mestre, ele não é um senhor. Ele é o Pastor, mas ele é também uma ovelha. As ovelhas não existem para o bem estar e prazer do pastor, e sim pertencem ao BOM PASTOR (1 Pedro. 2 v.9; Efésios 1 v.22; Colossenses. 1 v.18);

8. Não tenha medo de  liderar, mas tenha cuidado para liderar Biblicamente e não através de sabedoria ou influência humana.  Sua autoridade não é sua opinião e sim a Palavra de Deus (Tito 1 v.7).

9. Não entregue sua autoridade a pessoas que não são pastores ou aos de pouco tempo de ministério; e

10. Não tema deixar a Igreja participar das decisões. Seu alvo é maturidade e esta maturidade é um processo de crescimento. Se você tem os ensinado bem, não terá nada a temer. 
 Deixo a pergunta aos Pastores leitores deste blog: Como tens pastoreado o rebanho do Senhor?
Aos demais irmãos informo que o pastoreio à luz da Bíblia não é de qualquer maneira, é certamente árduo, mas gratificante, cansativo, mas maravilhoso. Não é preparação, não é curso, não é cargo político, pastoreio é chamado e Deus não chama qualquer um para tomar conta de seu rebanho. Que o amor de Deus que excede todo o nosso entendimento seja derramado sobre a sua vida e de sua família em nome de Jesus Cristo. Amém!